Usuário: Visitante | Identifique-se | Cadastre-se
Brasil


13/05/2012, 00:00:00
Decisão judicial pode mudar entendimento sobre relação trabalhista entre pastor

Foi a primeira vez que um caso obteve sucesso na segunda instância, o que o torna extremamente importante do ponto de vista da jurisprudência – o entendimento judicial que costuma prevalecer em ações da mesma natureza. Não cabe mais recurso.

Um verdadeiro ninho de vespas acaba de ser aberto pelo Poder Judiciário. Em decisão inédita, a Sétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) acolheu, em fevereiro, a sentença de primeira instância da 65ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, que reconheceu o vínculo empregatício do ex-pastor Carlos Henrique de Araújo com a Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd). A igreja recorreu, mas não houve jeito – a condenação foi mantida, e a Universal terá de pagar ao dissidente uma indenização de R$19 mil. A soma inclui não só os direitos trabalhistas retroativos e multas, mas também indenização por dano moral, já que a Universal acusou Araújo de roubo, sem provas.

Na ação, o ex-pastor narrou tem sido admitido na Iurd em 1999, como administrador, com salário de R$ 2,4 mil. Entre várias outras atividades, ele dirigia cultos, trabalhando de segunda-feira a domingo, em média, de 6h30 às 21h. Além disso, segundo seu depoimento, ainda tinha de bater metas de arrecadação em dízimos e ofertas e seguia rígida subordinação aos superiores. Anos depois, diante do fracasso em atingir as expectativas de arrecadação, o ex-pastor teve o salário reduzido à metade. Rebaixado à função de servente, foi transferido de congregação e ainda acusado de apropriar-se de parte de uma doação de R$ 23 mil.

Processos dessa natureza se avolumam nas Varas do Trabalho Brasil afora. No entanto, tais pleitos têm sido julgados improcedentes reiteradas vezes, com base, principalmente, nas leis 9.608/98 (que regulamenta o serviço voluntário) e 8.212/91, a qual não considera como remuneração o que é pago por entidades religiosas a seus líderes espirituais para fins de subsistência. Contudo, é a primeira vez que um caso obtém sucesso na segunda instância, o que o torna extremamente importante do ponto de vista da jurisprudência – o entendimento judicial que costuma prevalecer em ações da mesma natureza. Não cabe mais recurso.

“NEGÓCIO”

O caso reacende uma questão que tem ganhado força nos últimos anos, sobretudo diante de denominações que baseiam sua mensagem e atuação na arrecadação de dinheiro. “Se é negócio, não se trata de ministério sacerdotal”, frisa o desembargador federal do Trabalho Marcelo Augusto Oliveira, do Rio. Ele diz que, nesse tipo de contexto eclesiástico, o pastor adquire, mesmo, funções de empregado – descaracterizando, portanto, a tese da adesão voluntária por motivo de fé, até agora predominante na Justiça brasileira. No caso de Araújo, as provas apresentadas confirmaram a exigência do cumprimento de metas financeiras, o que, segundo o magistrado, distingue a função por ele exercida do ministério religioso – “Além disso, ele era tratado como funcionário, sem autonomia, sujeito a horário de trabalho e a punições.”

“Se a igreja se comporta como uma empresa, com metas e tudo o mais, deve ser encarada como tal e, por isso, torna-se passível de ações trabalhistas”, concorda o advogado Gilberto Ribeiro dos Santos, vice-presidente do Instituto de Juristas Cristãos do Brasil. Especialista na orientação jurídica a igrejas, ele alerta que a decisão do TST pode mudar muita coisa: “Todos os processos que tiverem o mesmo conjunto de fatos irão acompanhar essa decisão.”

O pastor batista Edmar Xavier não se sente um mero funcionário de sua congregação. “Apesar de receber todos os benefícios de um trabalhador normal, isso é uma generosidade, e não obrigação da igreja”, pondera. Ele enxergou justiça no caso de Carlos Araújo. “É a mesma coisa que trabalhar em uma loja de roupas e ter de vender tanto em mercadorias. Aí,[o pastor] tem todo o direito de acionar a ‘empresa-igreja’”. No entanto, prefere que seu trabalho tenha caráter apenas espiritual. “Meu patrão é Deus”, encerra.



Fonte: Cristianismo Hoje
Contribuição: Silvia Saron

[Comente]
5 comentários

E continuam fazendo do santo, profano. A Igreja de Cristo não é comércio. As ovelhas de Jesus, não são clientes. Misericórdia, Senhor; tenha misericórdia de todos nós.
(0) (0)

Thiago Medeiros
Itaborai/rj
13/05/2012, 12:49:08

Existe pastor profissional e Pastor vocacionado, é nessa hora que vemos a diferença. Pastor não é profissão e sim vocação, abram os olhos povo de Deus e saibam distinguir entre os dois e fuja dos profissionais da fé alheia.
(0) (0)

Adelmo Ribeiro Furtado ( Sogrão da Erlaine )
Volta Redonda Rj
14/05/2012, 20:32:47

Horário pra entrar e sair e estabelecimento de metas são contrários ao ministério pastoral pois fere a autonomia de liderança inerente. Mas penso que as igrejas devem além de pagar bons salários aos pastores de tempo integral, devem arcar com todos os direitos trabalhistas.
(0) (0)

Paulo Henrique Melo
Brasilia
15/05/2012, 14:59:24

O ser humano só cresce com cobranças e sob pressão, qualquer um largado a si será vergonha.
(0) (0)

Lenilson Fraga
Rio de Janeiro
16/05/2012, 08:55:32

ser pastor é uma honra mas infelizmente se tornou profissão que pena
(0) (0)

Eunice Nogueira Pena
Bsb
05/06/2012, 20:06:55

Atenção! Você está deslogado.

Deslogado, seu comentário será moderado.
Identifique-se e comente sem moderação.

Todos os campos são obrigatórios

Seu nome:
E-mail:

(não será divulgado)
Localidade:
Comentário:

                                                          

Código de segurança:

CAPTCHA Image
Digite os caracteres acima:

Leia também:

25/03/2014 :: 00:00
Pesquisadores falam sobre colaboração de igrejas cristãs com a ditadura militar
19/02/2014 :: 00:00
Não me alinho a bancadas evangélicas, diz deputado pastor
02/02/2014 :: 00:00
Evangélicos abrem 14 mil igrejas por ano no Brasil
18/01/2014 :: 00:00
Feliciano entra com representação contra Porta dos Fundos no Ministério Público
08/01/2014 :: 00:00
Bancada evangélica atua a fim de barrar propostas para legalizar aborto e drogas



 

Ver arquivo de notícias
Enviar notícia

Add to Google

 


Categorias

                       


Últimas

16/04/2014 :: 08:44
Oro para conhecer a vontade de Deus, diz Bono
15/04/2014 :: 00:00
Portas Abertas distribui Bíblias para cristãos da Síria
11/04/2014 :: 00:00
Rachel Scheherazade desmente que tenha sido afastada do SBT
07/04/2014 :: 00:00
SBB oferece três traduções da Bíblia para o aplicativo YouVersion
03/04/2014 :: 00:00
Noé atrai multidões aos cinemas
25/03/2014 :: 13:50
A Bíblia é o documento mais historicamente correto de todos os tempos
25/03/2014 :: 00:00
Pesquisadores falam sobre colaboração de igrejas cristãs com a ditadura militar
21/03/2014 :: 21:30
Nova descoberta confirma relato do Gênesis sobre a criação do universo
17/03/2014 :: 00:00
Desafio de leitura bíblica faz sucesso no Facebook
12/03/2014 :: 09:20
Países do Oriente Médio proíbem exibição do filme Noé
Mais notícias

"Aquele que começou uma boa obra em vocês irá completá-la até o dia de Cristo Jesus" Filipenses 1:6